Fragmentos: Episódio de Anaïs Nin e Hugo no bordel da Rua Blondel, 32 (Março, 1932).


“O táxi nos deixa numa ruazinha estreita…vejo o ’32’ em vermelho numa das portas…não é uma casa, mas um café cheio de pessoas e mulheres nuas…
Barulho. Luzes que cegam. Muitas mulheres cercando-nos, tentando atrair nossa atenção.
Temos que escolher. Hugo sorri, confuso…
Escolho uma mulher muito corpulenta…parecendo espanhola, e depois…chamo uma mulher…pequena, feminina, quase tímida.
Peço a Hugo para olhar cuidadosamente para ver se escolhi bem. Ele assim faz e diz que eu não poderia ter escolhido melhor…
Vamos para o andar de cima. Gosto de olhar para o andar das mulheres despidas.
O quarto está suavemente iluminado e a cama é baixa e ampla. As mulheres estão animadas, e se lavam…
Observamos a mulher corpulenta atar um pênis a si, uma coisa rosada, uma caricatura. E elas fazem poses, desavergonhadamente, profissionalmente…
Hugo e eu observamos, rindo um pouco das investidas delas…É tudo irreal, até eu pedir pelas poses lésbicas.
A mulher pequena adora isso, gosta mais do que quando a outra faz papel de homem. A mulher graúda me revela um lugar secreto no corpo da mulher, uma fonte de um novo prazer, que eu algumas vezes sentira mas nunca definidamente – aquele pequeno âmago na abertura dos lábios da mulher, bem o que o homem deixa passar. Ali, a mulher corpulenta trabalha lambendo com a língua. A mulher pequena fecha os olhos, geme e treme de êxtase.
Hugo e eu nos debruçamos sobre elas, tomados por aquele momento de beleza da mulher menor, que oferece aos nossos olhos seu corpo dominado, trêmulo. Hugo fica transtornado…
Percebo os sentimentos de Hugo e digo:
-Você quer a mulher? Tome-a. Eu lhe juro que não vou me importar, querido.
-Eu poderia gozar com qualquer pessoa agora – responde ele.
…a pequena mulher está ofegando, suas mãos acariciando a cabeça da outra mulher. Aquele momento por si só agitou meu sangue com outro desejo. Se tivéssemos sido um pouco mais loucos…Mas o quarto nos pareceu sujo. Saímos. Estonteados. Felizes. Fascinados.
Eu conseguira dar a Hugo uma parte do prazer que me enchia.
E quando voltamos para casa, adorou meu corpo porque ele estava mais adorável do que o que havia visto, e mergulhamos na sensualidade juntos com nova conscientização.
Estamos matando fantasmas.”

( “Henry & June: Diários não-expurgados de Anaïs Nin” )

4 Respostas to “Fragmentos: Episódio de Anaïs Nin e Hugo no bordel da Rua Blondel, 32 (Março, 1932).”

  1. Letícia Says:

    Admirável!

  2. bastaestarvivo Says:

    Essa mulher era linda, inteligente,ousada e corajosa.
    Admirável mesmo.

  3. Simone K. Says:

    esta cena no filme é belíssima. Se me perguntassem qual personagem faria no cinema neste exato instante, eu reponderia sem exitar: Anais.

  4. Lady Shady Says:

    Querida Si, vc é Anais Nin…Pra mim vc é e só vc poderia ser. Tinha vontade de montar um espetáculo sobre os textos dela e só vc e apenas vc seria capaz de interpretá-la!
    bjs

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: